Inovação Aberta: como a nova forma de inovar está mudando cenários

15/05/2019

Inovação Aberta: como a nova forma de inovar está mudando cenários

Inovação aberta

Nos últimos séculos observamos cada vez com mais frequência revoluções tecnológicas e o surgimento de novas ideias, principalmente dentro da indústria e do mercado.

A Inovação Aberta (Open Innovation) é uma dessas novas ideias que surgiu da necessidade se substituir o modelo antigo e falho aplicado dentro das empresas, conhecido como Inovação Fechada. Quer saber mais?

Porque substituir o modelo de Inovação Fechada?

Tradicionalmente, o desenvolvimento e o marketing de novos  produtos eram feitos dentro de limites estritos. Poucas décadas atrás, grandes empresas tinham seus centros de pesquisa e desenvolvimento e inovação (P,D&I) muito sigilosos, sustentados por verbas estratosféricas.

Esse cenário não dava retornos sustentáveis e apenas uma pequena quantidade de produtos realmente tinham sucesso no mercado, enquanto a maioria das tecnologias e produtos desenvolvidos eram descartados ou usados por outras empresas que não tiveram nada a ver com toda a pesquisa.

Além disso, ao longo dos anos, observamos que existe uma quantidade de conhecimento significativa fora dos laboratórios de P,D&I, e que também houve um aumento grande na disponibilidade de recursos fora das empresas, possibilitando que novas ideias sejam desenvolvidas em outros laboratórios.

O que é Inovação Aberta?

A Inovação Aberta é uma mudança na visão empresarial de como fazer pesquisa e como desenvolver novos produtos. Ou seja, as empresas precisam se abrir para ouvir seus parceiros dentro da próprio ambiente institucional (áreas de produção, vendas, serviços de campo e outros) e fora desse ambiente, considerando cooperações com universidades, institutos de pesquisa, fornecedores e até o próprio consumidor

Esse amadurecimento na cadeia de inovação é abarcado pelo modelo de Inovação Aberta, mas o modelo também introduziu outras formas de geração de lucro e receita.

Por exemplo, para acelerar a integração de novas tecnologias e produtos dentro das empresas, o modelo de Inovação Aberta prevê a compra ou licenciamento de tecnologias ou até mesmo a aquisição ou participação nas ações de empresas menores (processo chamado de “spin-in”) que já trabalham com a tecnologia de interesse.

Analogamente, o “desperdício” de tecnologias e produtos criados dentro dos laboratórios de P,D&I foi motivador de ações mais sistemáticas no gerenciamento dos subprodutos criados dentro do processo inovativo. Licenciar e vender esses subprodutos ou até incentivar a criação de novas empresas (conhecido como “spin-out”) baseadas neles são soluções que transformam o que antes era desperdício em rendimentos.

Princípios da Inovação Aberta

Um pequeno resumo das ideias que fundamentam o modelo de Inovação aberta são listados abaixo:

  • Buscar competência e inovação dentro e fora da empresa através da integração entre  fornecedores, clientes e conhecimento externo (processo conhecido como “Outside in”);
  • P,D&I interno pode trabalhar com P,D&I externo e reivindicar uma porção dos valores que podem ser criados fora da empresa;
  • Ter um modelo de negócio e fazer o melhor uso possível de cada ideia é melhor do que simplesmente criar novas ideias;
  • Propriedade Intelectual (PI) gerada internamente e que não estejam sendo utilizadas dentro da empresa podem ser internalizadas ou comercializadas (processo conhecido como “Inside-out”);
  • Pode-se usar outras PI desde que contribuam para os nossos negócios.

Uma nova era de inovação

A análise do modo como o processo de inovação é realizado e estruturado pelas empresas ganhou muita relevância na última década. Hoje, qualquer gestor já compreende que esse processo é crítico para a implementação de uma estratégia eficiente e no aproveitamento de oportunidades para criação de vantagens competitivas.

Dentro desse contexto, observamos que o modelo antigo de inovação ruiu e que o modelo de Inovação Aberta é muito promissor e vem ganhando espaço dentro das organizações, principalmente porque o cenário atual inviabiliza que uma empresa tenha todas as competências e recursos para inovar.

Portanto, mais importante do que ter um laboratório de P,D&I forte, a grande revolução é saber como acessar e usar o conhecimento, onde quer que ele esteja.

Por ANPEi.

Add new comment